domingo, 10 de abril de 2011

Câmara votará detector de metais

70% dos alunos dizem ter visto 
algum tipo de arma na escola

70% dos alunos dizem ter visto algum tipoApós a tragédia ocorrida no Rio de Janeiro, quando crianças foram assassinadas na Escola Municipal Tasso da Silveira, o deputado Sandro Mabel (PR-GO) defendeu a aprovação de urgência para análise do projeto de Lei 496/11, de sua autoria, que prevê instalação de máquinas de raio X na entrada de todas as escolas públicas e privadas.
Pela proposta, só poderia entrar na escola quem se submetesse ao aparelho de detecção de metais. A medida, diz o deputado, poderia evitar episódios de violência que têm se tornado comuns no ambiente escolar, como as agressões entre alunos.
“Tem pesquisa que mostra que 70% dos alunos dizem já ter visto algum tipo de arma dentro da escola", afirma Mabel. “E não é só a arma de fogo, você tem facas, punhais, uma série de outros tipos de armas que são levadas para as escolas.”
Já o presidente do Conselho Nacional de Educação, Antônio Carlos Ronca, é contra a medida. Segundo ele, a proposta esbarraria na dificuldade de revistar centenas de alunos todos os dias e no alto custo da compra de equipamentos – recursos que poderiam resolver carências mais urgentes das escolas.
Ronca acrescenta que o combate à violência deve priorizar as causas, e não se basear apenas na repressão. “Daqui a pouco vamos transformar as escolas em uma prisão, em algo que, para entrar, precisará passar por inúmeros obstáculos. Aí você perde todo o caráter educativo que a escola deve ter", aponta.
Íntegra da proposta: PL-496/2011
Agência Câmara

Nenhum comentário:

Postar um comentário