quarta-feira, 10 de dezembro de 2014

Aplicativo Uber, mais uma vez tem causando polemicas

Os motoristas que continuarem a usar o app serão multados em mais de R$2.4 mil

 A Secretaria Municipal de Transportes (SMT) da cidade de São Paulo apreendeu quatro veículos vinculados ao aplicativo de caronas Uber. Segundo o órgão, os carros realizavam o transporte não autorizado de passageiros.
O Uber é um aplicativo, que permite ao usuário pagar por uma carona. O serviço se diferencia por oferecer carros premium, com motoristas treinados, e cobra uma tarifa base de R$ 5 e R$ 2,42 por quilômetro rodado em São Paulo. Qualquer pessoa pode se tornar um motorista do Uber.
A prefeitura de São Paulo notificou em novembro a empresa do app extrajudicialmente e deu o prazo de 30 dias, expirando no dia 11 de dezembro, para que ele se regularizasse ou encerrasse as atividades.
De acordo Secretaria Municipal de Transportes (SMT) alega que o serviço prestado pela startup é clandestino, porque os motoristas não são autorizados pela prefeitura para realizar a atividade remunerada. Além de não serem regularizados, a prefeitura afirma que o valor cobrado pelo Uber não é o do taxímetro legal (bandeirada de R$ 4,10 e quilômetro rodado de R$ 2,50 em São Paulo), e que pela Lei Federal 12.468/2011, somente os taxistas profissionais podem realizar o transporte individual pago de passageiros - com o máximo de sete passageiros por veículo.
“Uma coisa é o cidadão que sai de casa e leva um amigo de carona, isso é louvável, ajuda a cidade. Mas um cidadão que fica o dia inteiro dando caronas pela cidade de São Paulo caracteriza a atividade econômica de táxi”, disse Daniel Telles Ribeiro.
O diretor ainda destaca que, como a prefeitura não tem o registro dos motoristas do Uber, o serviço pode ter riscos aos passageiros. “O taxista faz um curso, tem cadastro, sei quem é esse taxista, e o veículo passa por uma vistoria, também consigo saber as condições desse veículo que está circulando. No caso do Uber, não sabemos quem é que está usando o carro, pode significar possibilidade de risco para o cidadão, o aplicativo infringe leis que estabelecem que o transporte individual de passageiros com fins econômicos é uma atividade privativa dos taxistas e só pode ser executada com autorização da prefeitura”, defendeu.

Outro fato que rendeu uma enorme discussão foi o aplicativo ser proibido na Índia sobre acusação de estupro da parte do motorista.

A proibição ocorre depois que um motorista cadastrado pelo serviço foi preso por suspeita de estuprar uma passageira. "O Departamento de Transportes proibiu todas as atividades de serviços de transporte uber.com com efeito imediato", afirma um comunicado oficial.

Os administradores do Uber não examinaram os antecedentes criminais do motorista, de 32 anos, que em 2011 já havia sido acusado de estupro - e inocentado um ano depois da acusação. 

sábado, 29 de novembro de 2014

Falta de Táxis em São Carlos faz passageiros esperar 1 hora para utilizar o serviço

O problema afeta frotas e taxistas já que o numero de veículos é insuficiente na cidade.
A cidade deveria ter um veiculo para cada 1,9 mil, o equivalente a 125 carros.
Porém apenas 104 circulam na cidade. A Secretaria de Transportes e Trânsito informou que a lei não previu um mecanismo de entrada de novos taxistas, o que tornou necessária a criação de critérios objetivos e democráticos para que isso ocorra.
Os taxistas querem uma solução junto com as frotas e a população, pois os taxistas são obrigados a deixar muitos passageiros na mão, esses passageiros ficam a espera de 1 hora por um erro da própria Secretaria.

Secretaria de Transportes


Em nota, a Secretaria de Transportes e Trânsito admitiu que a cidade opera com 20 táxis abaixo do número previsto em lei. Além disso, o órgão informou que está trabalhando para que a lei possa ser modernizada e novos táxis passem a atender a população de forma correta.

quinta-feira, 27 de novembro de 2014

Prorrogada em Itapetininga as inscrições de curso para taxistas

A Prefeitura de Itapetininga prorrogou para 5 de dezembro o prazo para inscrições no curso de capacitação para condutores de táxi. As aulas terão início em 8 de dezembro e vão até o dia 19.

O curso é um dos pré-requisitos para exercer a função e para a obtenção da carteira funcional do taxista. São 40 vagas oferecidas. A taxa cobrada é de R$ 72,20.
As inscrições devem ser feitas na Secretaria de Trânsito e Cidadania, localizada na Praça Gaspar Ricardo, 01, no Centro de Itapetininga, das 9h às 17h. As aulas serão dadas na secretaria.


Para se inscrever é preciso apresentar a CNH da categoria B a E com a observação "exerce atividade remunerada", comprovante de residência, certidão de antecedentes criminais, certidão de multas de trânsito, declaração de regularidade previdenciária (INSS), comprovante da inexistência de qualquer pendência junto aos órgãos de trânsito ou da receita, comprovante de sanidade física e mental atestado junto ao Detran, comprovante de recolhimento da taxa de um UFM (R$ 64,70) e duas fotos 5x7 - fundo branco e datada.

terça-feira, 25 de novembro de 2014

Ciclovias desalojam pontos de táxis pela cidade


                                                                                              Crédito: Fábio Arantes/Secom
Haddad na inauguração da Ciclovia no Centro de São Paulo

Reclamações referentes às ciclovias se multiplicam.
Taxistas, comerciantes e moradores reclamam da prepotência da prefeitura.

As faixas sinalizando as ciclovias estão se multiplicando pela cidade, comerciantes moradores e taxistas da Rua Coronel Lisboa, na Vila Mariana, estão descontentes com a implantação da ciclovia. O estacionamento de veículos na rua ficou impossível, já que de um lado há a ciclovia e do outro lado da rua é proibido estacionar. O ponto de táxi que existia há mais de 25 anos no local foi inutilizado, e os taxistas ficam rodando pelas ruas em busca de passageiros, sem parada.

“Estamos perdendo fregueses, afirmou Fátima Abatepietro, proprietária de um restaurante no local. Ela reclama também como moradora, já que sua residência fica bem em frente ao seu comércio. “Até minhas visitas particulares foram prejudicadas, porque não têm onde parar o carro”. E o pior é que não vemos bicicletas nessa faixa”.

O taxista David Domingues afirma que o problema é a falta de planejamento.

“Porque essa ciclovia não terminou na esquina de cima, para deixar o nosso ponto no mesmo local? Dez metros a menos não iriam fazer diferença, mesmo porque essa ciclovia não terá continuidade”, afirmou o taxista.

segunda-feira, 24 de novembro de 2014

Taxistas deverão ficar atentos no mês de dezembro

Salvador Viera - Vice Presidente




Sindicato orienta para não haver
problemas na hora da venda


Os taxistas que forem vender o seu veiculo nesse mês devem fazer um notificação ao Detran, pois é de responsabilidade do taxista o pagamento do IPVA proporcional.
A conseqüência para não comunicação ao Detran, torna o vendedor, responsável pelo debito que for gerado pelo comprador. Como o prazo da transferência e de 30 dias é importante lembrar que devido festas de fim de ano não se pode deixar para ultima hora, para que seja cancelada tal debito a tempo. O protocolo é simples e sai na hora.

De acordo com Salvador Viera, Vice-Presidente do Sindicato dos Taxistas Autônomos de São Paulo, alerta: “Fiquem de olho nos boqueiros que compram os veículos e se comprometem com o IPVA proporcional e não efetuam o pagamento, e ainda transferem para outro estado. Por isso a precaução no mês de janeiro deve ser redobrada, pois não tem como tirar o carro da praça sem o pagamento das taxas obrigatórias”.

quarta-feira, 19 de novembro de 2014

Em Jundiaí táxis têm nova tarifa

Desde 2011 que não houve um reajuste

Os Taxistas de Jundiaí, após três conseguiram mais uma vitória para categoria.
A “bandeirada” de R$4,40 passará a ser R$ 4,90 (valor fixo da corrida), o reajuste médio foi de 25,67%.
O quilômetro rodado na ‘bandeira 1’ passa de R$ 2,46 para R$ 3,09 e na ‘bandeira 2’ de R$ 2,96 para R$ 3,71
O presidente do Sinditaxi, Atílio Roberto Brescancin afirma, que já estava mais que na hora de ter um reajuste.
 “Nós levamos em consideração os principais insumos para fazer o cálculo do reajuste: preço do veículo, salário da categoria e combustível”, afirma.

Após a publicação na Imprensa Oficial, os taxímetros passarão por aferição do Instituto de Pesos e Medidas (IPEM) nos próximos dez dias, para que o novo valor possa ser cobrado pelos taxistas.

quarta-feira, 5 de novembro de 2014

Motoristas irão realizar paralisação de ônibus contra a violência

Manifestação ocorre das 10h às 14h no dia


O Sindmotoristas (O Sindicato dos Motoristas e Trabalhadores em Transporte Rodoviário Urbano) realizam uma interrupção na circulação dos ônibus da capital nesta quarta feira (5/11), com intuito de protestar contra violência que ocorre nos coletivos.
 No dia 18 de outubro o motorista John Carlos Soares Brandão, que teve o corpo queimado quando dirigia um ônibus em uma linha da Viação Santa Brígida, no Parque São Domingos, na Zona Norte, o ônibus foi invadido por criminosos, Segundo relatos, eles jogaram combustível no motorista, que demorou em sair do ônibus porque teve dificuldades para soltar o cinto de segurança. O condutor ficou quatro dias internado no Hospital Estadual de São Mateus, na Zona Leste, mas morreu.
De acordo com a Sptrans, desde o início deste ano foram incendiados 119 ônibus e outros 795 sofreram algum tipo de vandalismo. No ano passado, foram incendiados 65 coletivos e 1216 alvos de vandalismo.
Serão paralisados 32 terminais e em terá um ato no terminal do Parque Dom Pedro II, para tentar diminuir a violência contra a categoria, O Presidente do Sindmotoristas José Valdevan de Jesus Santos, conhecido como Noventa, diz que vai cobrar das autoridades uma solução para o problema. Ele afirmou que irá se reunir nesta semana com representantes da segurança do estado.
O motivo é para protestar contra esses incêndios nos ônibus. A própria população está sendo atacada covardemente. “Nós não estamos questionando o bem material, estamos questionando o bem que é a vida”, afirmou o presidente do Sindmotoristas, José Valdevan de Jesus Santos, conhecido como Noventa.
“Nós não queremos que aconteça o pior para nós reagirmos. Por isso, queremos que a população também venha participar”, disse Noventa. O sindicato distribuiu panfletos nos ônibus convocando a população, através de Ongs, igrejas e comunidades, para participar.

De acordo com o Sindmotoristas, a frota de ônibus da capital conta com 14,8 mil veículos, sendo que 8,8 mil são operados pelas empresas aos quais os funcionários são ligados ao sindicato da categoria. Segundo balanço do sindicato, pelo menos dez motoristas e cobradores tiveram queimaduras durante incêndios aos veículos neste ano. “A nossa categoria está amedrontada com essas ações covardes que vem acontecendo”, relatou.

segunda-feira, 3 de novembro de 2014

Multas de trânsito sobem até 900%

Onze artigos do CTB foram alterados,
conforme assinado pelo governo federal em maio de 2014

Os motoristas que forem flagrados cometendo irregularidades no trânsito, como ultrapassagens perigosas, terão que pagar mais caro pela infração.Com o valor das multas de trânsito reajustado desde sábado, entrou em vigor  a Lei Federal 12.971/2014 que altera o Código de Trânsito Brasileiro (Lei 9.503/1997).
A lei estabelece 11 mudanças no CTB com alteração nos artigos 172, 174, 175, 191, 202, 203, 292, 302, 303, 306 e 308. Os artigos se referem, principalmente, a ultrapassagens em estradas e a disputas de racha.De acordo com o Denatran (Departamento Nacional de Trânsito), as mudanças podem resultar em mais segurança para motoristas e pedestres, além de preservar a infraestrutura urbana. O reajuste mais alto é aplicado a quem faz ultrapassagem com veículo vindo em sentido contrário. Nesse caso, o valor sobe de R$ 191,54 para R$ 1.915,40, alta de 900%.
Porém os rachas, além de multa, poderão levar o infrator para a cadeia. Se a prática terminar em acidente com morte, o condutor poderá ser penalizado com cinco a dez anos de prisão. Se não houver vítimas, a pena cai para três anos de detenção. Caso haja vítimas não fatais, a pena prevista é de seis anos de prisão. O valor da multa subirá de R$ 574,62 para R$ 1.915,40, elevação de 233%.A nova lei também estabelece pena de seis meses a três anos de prisão para quem for flagrado dirigindo sob o efeito de álcool ou outras substâncias de efeitos análogos. A mesma pena será aplicada a quem somente participar de racha.A nova legislação também acrescenta um parágrafo ao CTB fixando a pena de dois a quatro anos para o motorista que bebeu e provocou acidente fatal.A nova lei ainda determina que, em caso de reincidência, o valor da multa dobra, podendo chegar a R$ 3.830,80. Além disso, as infrações são consideradas gravíssimas e podem resultar em perda de sete pontos na Carteira Nacional de Habilitação (CNH).



          VALOR DAS MULTAS
  • Ultrapassagem em local proibido - Aumento de 400%
           R$ 191,54 para R$ 957,70
  • Ultrapassagem pelo acostamento - Aumento de 650%
           De R$ 127,69 para R$ 957,70
  • Forçar ultrapassagem de risco - Aumento de 900%
          De 191,54 para 1.915,40
  • Disputar rachas e corridas não autorizadas - Aumento de 233%
           De R$ 574,62 para R$ 1.915,40

quinta-feira, 16 de outubro de 2014

Adicional de periculosidade para motoboys é regulamentado

Antes o adicional era valido apenas para atividades sujeitas a exposição a produtos inflamáveis, explosíveis, radiação ou energia elétrica, além de risco às seguranças pessoais ou de patrimônio.


O Ministério do Trabalho regulamentou o pagamento do adicional de periculosidade de 30% do salário para motoboys.
A publicação da portaria foi feita no diário oficial nesta terça feira (14 de outubro) que aprova o Anexo 5 da Norma Regumentadora 16 (NR-16), que trata das situações de trabalho com utilização de motocicleta que geram direito ao adicional de periculosidade. Criado pela lei 12.997, de 18 de junho de 2014, a norma foi acrescentada à Consolidação das Leis do Trabalho (CLT).
Não estão incluídas nessa medida a utilização de motocicleta ou motoneta exclusivamente no percurso da residência para o local de trabalho e vice-versa; atividades em veículos que não necessitem de emplacamento ou que não exijam carteira nacional de habilitação para conduzi-los; atividades em motocicleta ou motoneta em locais privados; e atividades com uso de motocicleta ou motoneta de forma eventual, ou por tempo extremamente reduzido.

De acordo com o MTE o empregador deverá requisitar um laudo técnico de um médico do trabalho ou de um engenheiro de segurança do trabalho.

terça-feira, 14 de outubro de 2014

Aquisição de táxi para o microempreendedor individual pode ser feita com isenção do IPI



A norma foi publica pela Receita Federal do Brasil

Para se comprar um táxi com isenção do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI), o interessado deve apresentar nota fiscal relativa à última aquisição de veículo com esse benefício, foi o que explicou o consultor de Grupo Sage, Noberto Lednick Junior.
Os microempreendedores individuais já podem adquirir um veículo, destinado para táxi, com isenção do IPI.
A norma foi publicada pela Receita Federal do Brasil, na Instrução Normativa nº 1.392/2013. O MEI é o empresário individual com receita bruta anual de até R$ 60 mil e que, entre outras condições, não tenha contratado empregado, exceto se este receber 1 salário mínimo ou o piso salarial da categoria.

Segundo o presidente do Simtetaxi –SP (Sindicato dos motoristas e trabalhadores nas empresas de táxi no estado de São Paulo) Antonio Matias também conhecido como Ceará, para comprar um táxi co
m a isenção do IPI, o interessado deverá ainda apresentar nota fiscal relativa à última aquisição de veículo com esse benefício, ou a via da autorização anteriormente concedida e não utilizada. “No caso de transferência de benefício ao cônjuge, companheiro ou herdeiro, em virtude de falecimento ou incapacidade do motorista profissional depois da concessão da autorização e antes da aquisição do veículo com a isenção, o fisco exige que o comprador anexe ao requerimento uma autorização concedida ao titular”, afirma o Ceára.
 Para ter a isenção do imposto, alguns critérios são necessários, o veículo deve ser de fabricação nacional, equipado com motor de cilindrada não superior a 2.000cm3, ter no mínimo quatro portas, inclusive a de acesso ao bagageiro e ser movido a combustível de origem renovável.

sexta-feira, 10 de outubro de 2014

Cigarro faz profissionais perderem 20% do tempo de trabalho



Uma empresa que tenha 20 fumantes em seu quadro funcional, 
o custo anual do vício desses empregados atingirá a casa de R$ 259.200.
 As empresas que têm fumantes em seus quadros de funcionários podem começar a se preocupar com as questões da produtividade desse pessoal. Segundo levantamento de Marcelo Maron, diretor-executivo de um Grupo, que reúne corretoras e faz a gestão de planos de saúde corporativos, um empregado que fuma pode estar desperdiçando 20% do seu dia de trabalho com o vício, o que equivale a um quinto de sua jornada diária, normalmente de oito horas.Segundo o executivo, hoje, com a eliminação dos fumódromos nas empresas, os empregados que fumam precisam ir para a rua ou para ambientes arejados.
E, dependendo do movimento do prédio em que trabalham e das distâncias envolvidas, além do tempo necessário para fumar um cigarro apenas, contando o deslocamento da sua sala até a rua, o tempo médio dessa atividade não será inferior a 15 minutos de trabalho perdidos para cada cigarro fumado:

“Vamos supor um fumante razoavelmente controlado, que fume apenas seis cigarros durante as oito horas de trabalho, três pela manhã e três à tarde.
 Levando em conta a média de tempo apurada acima, esses seis cigarros vão consumir 90 minutos de um dia de trabalho. Nada menos que uma hora e meia de uma jornada de oito horas se esvai com o vício, o que equivale a quase 20% do horário de trabalho” alerta Maron.
Maron fala dos custos que um empregado pode custar e dá como exemplo um empregado com um salário de R$ 3.000 por mês. Somando ao salário os benefícios e encargos legais, esta remuneração chega a R$ 5.400/mês. Se o empregado está ausente quase 20% deste tempo para fumar, seu vício custa R$ 1.080 por mês para a empresa, ou R$ 12.960 por ano.
“É incrível, mas a quantia pode até ser bastante significativa em relação ao resultado do negócio”assinala Maron. Para o consultor, esses cálculos, relativamente conservadores, explicam o fato de que muitas empresas estão preterindo fumantes em seus processos seletivos. Além disso, há uma grande pressão para que os fumantes deixem de fumar durante o expediente.
“Tenho visto isso com frequência cada vez maior. Se há empate entre bagagem acadêmica e experiência, com certeza o fumante terminará eliminado do processo seletivo, embora muitas empresas se neguem a admitir isso”explica o consultor.

Mas há outra conta que joga contra o fumante, segundo Maron: o cálculo do uso do plano de saúde. Como as organizações arcam com custos crescentes em relação a esse benefício, contar com muitos fumantes em seus quadros pode ser desastroso para o caixa da empresa:

“Empregados com problemas circulatórios, cardíacos ou até mesmo de câncer elevam de modo considerável os gastos com o plano de saúde, que já é a segunda maior despesa de pessoal das empresas, logo após a folha de pagamento. Nesse sentido, reduzir o número de fumantes no trabalho é um fator de redução do custo do plano de saúde, e as empresas estão caminhando nessa direção”.
Entrevistada pelo JT, Ylana Miller diretora da empresa Yluminarh que trata de desenvolvimento profissional e docente de gestão de RH ressalta que pausas durante o dia podem ser saudáveis para aliviar o estresse e estimular a criatividade, sendo ainda mais benéficas quando favorecem a saúde física e mental ao mesmo tempo:
“Pausas durante o expediente são saudáveis;Há diversas organizações que estimulam essas “pausas saudáveis”, seja através de academias de ginástica e/ou de outros ambientes que estimulam a socialização, como um local específico para um cafezinho ou até mesmo um lanche rápido”, afirma Ylana.
De acordo com a especialista, empresas e líderes podem ter um papel diferenciado ao implementarem projetos de qualidade de vida, que incluem programas de antitabagismo. E, afirma, cabe ao funcionário decidir se quer participar.

quarta-feira, 8 de outubro de 2014

Nova York terá táxis exclusivos para mulheres

Quem utilizar o serviço serão recebidas por uma condutora vestida 
com uma echarpe de cashmira rosa choque

O Aplicativo que foi lançado esse mês de táxis conduzidos por mulheres e só transporta mulheres, e a grande novidade da cidade de Nova York.
A criadora é a Stella Mateo. Mãe de duas crianças, Mateo declarou ao "NY Times" que gostaria de ter tido uma motorista de uniforme para levar suas filhas para programas depois da escola e outras atividades quando elas eram mais jovens.
 A ferramenta se chama SheRides e foi lançado para iPhone em 16 de outubro.Uma versão para Android virá na seqüência.O Objetivo é proporcionar segurança para mulheres que tem receio de entrar em carros com motoristas do sexo masculino ou medo de serem apalpadas por homens em ônibus, trens e metrôs lotados, o transporte exclusivamente feminino já está disponível em muitas cidades do mundo.
A Índia tem sua própria frota de táxis femininos, também chamada SheTaxi, assim como a Nova Zelândia. O Japão teve composições de trens só para mulheres em várias ocasiões nos últimos cem anos, e programas semelhantes existem na Indonésia, Índia, Brasil, Guatemala, México, Paquistão e Irã.

Todas as condutoras são preparadas para atender diversos casos principalmente mulheres que já tenham tido algum tipo de trauma.

terça-feira, 7 de outubro de 2014

Sindimoto Baixada comemora grandes avanços da categoria

A periculosidade já funciona nos ramo de restaurantes

O Sindimoto Baixada, que atende 9 cidade metropolitanas (Santos, São Vincete, Guarujá, Caraguá,Ubatuba entre outas), está querendo aumentar seu alcance estendendo até a Praia Grande para que a categoria possa se beneficiar de ter um sindicato que luta pelos seus direitos.
Atualmente o sindicato comemora o avanço do direito da periculosidade, onde na Baixada já é um direito pago aos motoprofissionais no ramo de restaurantes em breve acredita-se que todas empresas de entregas de motoboys iram aderir, além disso tem uma campanha salarial no meio varejista para aumentar os benefícios dos motoprofissionais que prestam esse serviço ao varejo.

“Queremos que nossa categoria alcance todos os benefícios, no meio do varejo estamos lutando pela assistência medica, relacionamento com empresas de auto peças para haver descontos, assistência odontológica e o aumento de salário para que trabam com a sua própria moto, porque atualmente que trabalha com sua moto recebe apenas o salário de R$1.400 e acaba tendo uma despesa maior que não é cobrado.
Só tenho a agradecer pelos avanços que estamos conseguindo dia a dia, vamos lutar para que todos os profissionais consigam seus direitos e também para que o curso seja algo fiscalizado para trabalharmos de acordo com a lei”, afirma o Presidente do Sindimoto Baixada Paulo Cesar conhecido como Paulão.

segunda-feira, 6 de outubro de 2014

Abraciclo realiza 18° edição do motochek –Up acontece em Santos

O evento aconteceu nos dias 25, 26 e 27 de setembro

Após 5 anos o motochek – Up volta  a ser realizado em Santos na 18° edição devido ao crescimento de 35% da frota chegando a mais de 203 mil motos na região.
O evento é promovido pela ABRACICLO (Associação Brasileira dos Fabricantes de Motocicletas, Ciclomotores, Motonetas, Bicicletas e Similares), tem como objetivo a conscientização dos motociclistas, avaliação das motocicletas que passam pelo local, examinando gratuitamente as condições mecânicas de 21 itens da moto e mostra, na prática, como deve ser a pilotagem defensiva e o uso correto dos freios
Também ocorreu á distribuição gratuita de brindes aos condutores participantes e a entrega de vales, que possibilitam a troca completa de óleo.

MotoCheck-Up reúne mecânicos e instrutores de diferentes marcas para ensinar aos participantes melhores práticas de direção e promoção de um trânsito mais seguro. Já foi realizado nos estados de São Paulo (capital, Santos e região do ABC), Pernambuco (Recife), Amazonas (Manaus) e no Distrito Federal (Brasília), contando sempre com o apoio de órgãos governamentais e institutos, além da participação conjunta das fabricantes de motocicletas.

A 18ª edição do MotoCheck-Up teve patrocínio da Levorin, NGK, NTK, Porto Seguro, Taurus e YTeq. É apoiado pelo Sindimoto Baixada, CETH (Centro Educacional de Trânsito Honda) e realizado pela Abraciclo, em parceria com a CET e Prefeitura de Santos.

O presidente Paulo Cesar conhecido como Paulão do Sindimoto Baixada que participou do evento, disse que foi um evento incrível e com essa oportunidade que promoveu a Abraciclo, o sindicato conseguiu fazer grandes contatos no setor com intuito de trazer melhorias para categoria.

“Foi um evento muito bom, conseguimos fazer novos contatos, e no sábado teve bastante participação da categoria, houve bastante receptividade”, declarou Paulão.

sexta-feira, 3 de outubro de 2014

Punições de motoristas aumentam com radares em ciclovias.

Quem usar pistas de bicicletas serão flagrados 
por aparelhos e podem ser multados em R$ 574,62.

As multas aplicadas pela CET nas ruas de São Paulo por desrespeito aos ciclistas quase triplicaram no primeiro semestre deste ano em relação ao mesmo período de 2013. Elas passaram de 3.565 para 10.263 57 a cada dia. E a tendência reconhecida pela prefeitura é que as punições aumentem devido ao projeto para construir 400 km de ciclovias até 2015 e a uma novidade da fiscalização.

A Prefeitura passará a usar radares para flagrar carros e motos que trafegarem nas pistas destinadas às bicicletas infração gravíssima, com multa de R$ 574,62.
Hoje as multas por desrespeito a ciclistas são aplicadas só por marronzinhos(CET).


Desde 2012, a CET adaptou três artigos do código de trânsito para punir motoristas que se aproximam demais das bicicletas em todas as vias, as ultrapassam de forma perigosa e sem reduzir a velocidade ou que as fecham antes de conversões. Essas multas cresceram 188% sem incluir as específicas para a invasão de ciclovias. Os demais tipos de infração de trânsito subiram apenas 4%. E as punições de motoristas por desrespeito aos pedestres caíram 10%. O programa de fiscalização por desrespeito aos ciclistas foi criado há dois anos por pressão de ativistas depois da morte de ciclistas nas avenidas Paulista e Pirajussara.

segunda-feira, 29 de setembro de 2014

Prefeitura sanciona que livra as cooperativas paulistas da obrigação de filiação

Foi uma luta que duraram meses, por parte de pressão de ONGS, 
movimentos cooperativistas e políticos.

O prefeito de São Paulo Fernando Haddad sancionou a Lei 16.073, referente ao projeto de Lei 198/2014 que libera as cooperativas da obrigação de serem filiadas a OCB, (Organização das Cooperativas Brasileiras) ou a OCESP (Organização das Cooperativas do Estado de São Paulo), para que possam participar de processos licitatórios junto ao Executivo.

A obrigatoriedade estava prevista na Lei Municipal 15.944, de 23 de setembro de 2013.
Com a Câmara Municipal de São Paulo cheia de cooperados e representantes de cooperativas, como a COOPAFARGA e a COBRATE, e entidades de representação como a Unisol Brasil e a Federação Nacional dos Trabalhadores Cooperados (FETRABRAS), que a acompanharam a votação

A presidente Sandra Campos da Fetrabras (Federação Nacional dos trabalhadores cooperados) que os cooperados se organizaram em cooperativas para diminuírem os custos e assim não tem dinheiro para se filiarem.
“Cerca de 30% das compras da prefeitura e do Estado são destinadas à agricultura familiar, ou seja, famílias humildes que são produtores. “Eles (OCB e OCESP) cobram até 70 mil por ano pela filiação, ou seja, tem que cortar empregos para pagá-los”, declarou Sandra.

Lurdinha Rodrigues, presidente da FENATRESC comemora vitória.

“Tem um ditado que diz que “há males que vem para bem”“. Pois isso foi realidade no cooperativismo quando foi publicada a Deliberação 12 da JUCESP, que obrigava as cooperativas a se registrarem/filiarem a esta ONG. As maiorias dos cooperativistas entraram em desespero, pois se não se submetessem à filiação a esta ONG não poderiam mais registrar as suas ATAS e, consequentemente, a personalidade jurídica da cooperativa estaria terminada. Os cooperados determinavam em assembléias que não se filiariam a algo que custaria uma fábula e acabaria com diversos postos de trabalho. Muitas cooperativas perderam seus contratos, pois, sem atas atualizadas, não podiam participar de licitações. Outras ainda não puderam movimentar sua conta bancária para honrar seus compromissos com fornecedores e, pior ainda, muitos cooperados que trabalharam o mês todo não puderam levar o pagamento do seu rateio de produtividade para o sustento de suas famílias.

Isso tudo gerou tanto desespero nos cooperativistas que eles se uniram em uma só voz, que era a REVOGAÇÃO da DELIBERAÇÃO 12 da JUCESP, que o então Secretário de Estado Rodrigo Garcia, após ouvir as bases e consultar a Procuradoria Geral do Estado, chegou à conclusão de que isso era inconstitucional e revogou a Deliberação 12, colocando fim a algo que eu aprendi que além de ser ilegal e imoral”, Afirma Lurdinha.

quinta-feira, 18 de setembro de 2014

Faixas exclusivas de ônibus são liberadas para taxistas

Os táxis só poderão trafegar nas faixas exclusivas se estiverem com passageiros

A Prefeitura de São Paulo anunciou a liberação das faixas exclusivas de ônibus para taxistas, serão 440 km de faixas compartilhadas.
O secretário municipal dos Transportes, Jilmar Tatto, falou que os táxis também vão poder parar para embarcar e desembarcar passageiros.

Foram criados 356 km com a promessa de priorizar o transporte por ônibus na cidade. As faixas são estruturas localizadas à direita, como na Avenida Paulista.

Nos corredores de ônibus, que são espaços à esquerda totalmente segregados do trânsito, caso das avenidas 9 de Julho e Santo Amaro, continua valendo a proibição de táxis nos horários de pico - das 6h às 9h e das 16h às 20h.

quarta-feira, 17 de setembro de 2014

Fetrabens realiza Seminário e Festa do Caminhoneiro

O evento aconteceu do dia 12 ao dia 14 de setembro

Federação dos Caminhoneiros Autônomos de Carga do Estado de São Paulo (Fetrabens) e seus sindicatos filiados, realizaram no Centro de Convenções do SINDICAM-SP, “Recanto Angaturama”, em Santa Isabel, São Paulo, o “I Seminário Estadual para Caminhoneiros Autônomos – Encontro Fetrabens 2014”.
O evento reuniu lideranças sindicais de mais de 20 entidades de SP, Pará e do Paraná, para discutirem temas ligados diretamente ao dia-a-dia dos Caminhoneiros Autônomos.

Durante os três dias do Seminário, autoridades dos Governos Federal e do Estado de São Paulo, líderes de segmentos empresariais, autoridades do Judiciário, da Procuradoria do Trabalho e do parlamento Federal apresentaram suas visões e entendimentos sobre os temas mais recentes ligados ao Transporte Rodoviário de Cargas (TRC).

Questões como Previdência Social e o Caminhoneiro Autônomo; a Lei 12.619 e seus reflexos; Transportes de Cargas Perigosas – com foco no PL 5.000, que trata do transporte de combustível - Direito Sindical e os aspectos legais envolvendo o Caminhoneiro Autônomo; Concessões e Regulamentação de Rodovia, a Política de Controle no Estado de São Paulo; e a questão da Sustentabilidade na Estrada foram alguns do temas tratados no evento.

A novidade esse ano, é que a diretoria do SINDICAM-SP, entidade filiada à Fetrabens, inaugurará o Centro de Treinamento do Caminhoneiro Autônomo e a Escola de Trânsito Infantil. Esse é o primeiro Centro de Treinamento e Escola Infantil de Trânsito a serem inauguradas por uma entidade da categoria no Brasil.

O Centro de Treinamento será equipado com um simulador de caminhão que será utilizado para treinar caminhoneiros em diferentes situações. Adquirido recentemente pelo SINDICAM-SP, o simulador está capacitado para oferecer diversas situações diferentes em estradas, pátio de estacionamento e até acesso e saída a posto de combustível. Nele, todas as manobras e atividades desempenhadas pelo caminhoneiro em treinamento geram pontuações que permitem a classificação de cada “aluno”.

Já a Escola Infantil de Trânsito está instalada num galpão de 200 m2, com uma pista em forma de “oito” e equipada com 12 mini-caminhões elétricos com bateria de 12 Volts. Na pista, há semáforo e faixa de pedestre. A proposta da direção da entidade e orientar filhos e netos de caminhoneiros nas questões de Educação de Trânsito.


Segundo Norival de Almeida Silva, presidente da Fetrabens e do SINDICAM-SP a inauguração do Centro de Treinamento é fundamental para a qualificação do profissional autônomo: “O caminhoneiro precisa se qualificar e buscar este conhecimento”. Já sobre a Escola Infantil de Trânsito, ele destaca: “Temos como objetivo estimular nossos filhos, sobrinhos e netos a serem futuros caminhoneiros.” destaca.

quinta-feira, 11 de setembro de 2014

IPEM-SP realiza regularização de taxímetro

Os taxistas de Peruíbe já podem consultar no site do IPEM-SP (www.ipem.sp.gov.br) as datas dos plantões, voltados especificamente àqueles que precisam validar o instrumento após mudança de veículo, troca ou reparo. A próxima ação está programada para 16 de setembro, sendo o ponto de partida a Avenida da Praia, em frente ao quiosque 36, no Centro.

No caso dos plantões de regularização de taxímetro, somente os taxistas que precisam validar o instrumento após mudança de veículo, troca ou reparo do taxímetro devem comparecer. O IPEM-SP também realiza, periodicamente, a verificação anual – ação de participação obrigatória a todas as categorias de táxi.

Os taxistas autuados por trafegar com o taxímetro irregular têm dez dias para apresentar defesa ao órgão. As multas podem variar de R$ 500 a R$ 5 mil, dobrando na reincidência.

Para agendar o atendimento é necessário acessar o site do IPEM-SP e emitir a GRU (Guia de Recolhimento da União) para o pagamento da taxa de verificação. Sem o agendamento online e a taxa quitada, o atendimento não é realizado.

Na data da verificação, o taxista ou responsável pelo veículo deve apresentar os seguintes documentos:

- alvará de estacionamento fornecido pela prefeitura;
- certificado de propriedade do veículo;
- certificado de verificação do IPEM-SP, referente ao exercício de 2013;
- GRU quitada;
- comprovante de endereço;
- guia de serviço fornecida por oficina credenciada pelo IPEM-SP

Mais informações podem ser obtidas pelo telefone (13) 3235-7815 ou pessoalmente na Sede da Delegacia de Ação Regional do IPEM-SP em Santos, localizada à Rua Amazonas, 83, no Campo Grande.

Para identificar se o taxímetro foi verificado pelo IPEM-SP, o consumidor deve observar a existência do lacre amarelo, que impede o acesso à regulagem do aparelho, e do selo do Inmetro com a frase “verificado até 2015”. Caso o lacre esteja rompido, o consumidor não deve aceitar a corrida, pois o aparelho pode apresentar medição incorreta”.

O valor da bandeira é estabelecido pela prefeitura de cada município, mas é importante estar atento ao horário em que as bandeiras ‘um’ e ‘dois’ podem ser utilizadas, para não pagar mais caro pela corrida.


O consumidor que notar irregularidades ou tiver dúvidas pode realizar denúncia na Ouvidoria do IPEM-SP por meio dos telefones 0800 013 0522 (São Paulo) e (11) 3581-2019 (outras localidades) e do e-mail ouvidoria@ipem.sp.gov.br.

quarta-feira, 3 de setembro de 2014

Prefeitura de São Paulo proibi aplicativo de “carona”

Carros do app são julgados como táxis clandestinos.

O aplicativo Uber que permite motoristas particulares a oferecerem carona paga é proibido na cidade de São Paulo.
Desde o seu lançamento, o Uber vem gerando bastante polemica, principalmente entre os taxistas e cooperativas de táxis.

Por meio do aplicativo, disponível para iPhones e celulares Android, passageiros podem pedir caronas. O valor a ser pago pelo trajeto é contabilizado pelo próprio aplicativo, que também efetua os pagamentos, feitos com cartão de crédito.
Normalmente o serviço é feito por motorista que não são preparados e o custo da viagem a acaba saindo mais caro. O A equipe do JT fez um teste com o aplicativo do Metrô Shopping Santa Cruz até a sede do Jornal (Rua estado de Israel 819-vila Clementino) o percurso normalmente sai por R$10, 00, pelo app custou R$21,00.

A prefeitura pedirá a suspensão do programa sob o argumento de que ele motiva motoristas sem autorização a fazerem o transporte de passageiros, atividade que só é permitida ser feita por taxistas de acordo com a lei federal nº. 12.468.

Os 105 agentes do DTP (Departamento de Transportes Públicos) foram orientados a ficar atentos aos modelos mais usados no serviço, como Hyundai Azera, Toyota, Corolla e Ford Fusion.

Três motoristas já foram flagrados e tiveram os carros apreendidos; Após os fiscais constatarem que os motoristas não possuíam autorização para transportar pessoas, os carros foram levados para o pátio do DTP. Depois do pagamento das multas, os veículos foram liberados. Os condutores parados no Tietê e em Congonhas pagaram R$ 2.443,42 (multa de R$ 1.800,47 mais R$ 642,95 de taxa de remoção e custo de estadia) e o da Barra Funda teve que desembolsar R$ 2.520,22 (multa de R$ 1.800,47 mais R$ 719,75 de taxa de remoção e custo de estadia). Caso haja reincidência, o valor da multa dobra.


“A questão central desse aplicativo da Uber é que eles usam o argumento de que estariam dando carona, mas, no final da carona, as pessoas têm que pagar. Quando você paga por um serviço, passa a ser uma atividade economia. É um transporte individual remunerado. No nosso entendimento, um aplicativo como esse, está promovendo uma atividade clandestina, não deveria ficar sendo disponibilizado dos serviços de internet”, disse Daniel Telles, diretor do Departamento de Transporte de Passageiros (DTP).

segunda-feira, 1 de setembro de 2014

Greve de ônibus em Mauá

O terminal de ônibus no Centro de Mauá permanece fechado e com cartazes avisando a paralisação por tempo indeterminado

Os motoristas e cobradores de ônibus de Mauá, no ABC paulista, realizam uma paralisação após a viação Cidade de Mauá deixar de pagar a rescisão e direitos trabalhistas de alguns funcionários que haviam sido demitidos.

Em solidariedade aos grevistas os funcionários da Empresa Auto Ônibus Santo André também aderiram ao movimento.

Atualmente, duas empresas de ônibus operam em Mauá, mas uma delas vai deixar de operar. Com isso, os funcionários serão demitidos e recontratados por uma nova empresa. No entanto, os funcionários não receberam os direitos trabalhistas após a demissão. Procurada, a empresa disse ainda não ter um posicionamento sobre a questão.
O prefeito de Mauá, Donizete Braga, disse o processo de substituição de uma empresa de ônibus por outra está sendo realizado há 1 ano e meio e que a Prefeitura fez o possível para evitar essa situação.
Mas de 100 mil pessoas com dificuldades no transito devido a paralisação.



Em 11 de agosto, funcionários da Cidade de Mauá já haviam realizado uma greve pelo mesmo motivo porém o acordo que o dono da viação propôs não foi cumprido.

sexta-feira, 29 de agosto de 2014

Guarulhos tem aplicativo de táxis para o próprio município

 Cooper Guarulhos prestará atendimento exclusivo a cidade

O aplicativo que visa facilitar a vida dos usuários trazendo conforto e segurança, além de coibir a invasão de taxistas de outras regiões que usam outros aplicativos que representam a capital.

De acordo com o presidente da cooperativa, Alexsander Negrão, desde a sua implantação houve crescimento na demanda de atendimento.

"O aplicativo Cooper Guarulhos foi criado para coibir o atendimento prestado por taxistas de outros municípios que utilizam dos aplicativos 099 e Easy Táxi. Aliás, o passageiro que se utiliza destes aplicativos não estão seguros quanto aos seus pertences, diferente de nós que asseguramos", declarou Alexsander Negrão.

"O objetivo desta iniciativa é de proporcionar ao passageiro maior segurança e comodidade, até por que ele não precisa acionar a nossa central para acompanhar o atendimento. É tudo em tempo real pelo seu celular", destacou Negrão.

Segundo Alexsander, a demanda pela prestação de serviço realizada pela cooperativa teve um acréscimo de aproximadamente 4% desde a implantação do aplicativo. No último mês, a empresa, por meio da ferramenta realizou cerca de 900 atendimentos. Com 280 veículos, a Cooper Guarulhos realiza 2000 corridas diárias.

"Ainda não existe um bloqueio para atendimentos fora do nosso perímetro de atuação (Guarulhos), mas o passageiro que estiver na cidade terá acesso aos nossos veículos pelo aplicativo. Caso um de nossos carros esteja em outro município e seja acionado, indicaremos veículos de empresas daquela região", encerrou.


Cooper Guarulhos
(11) 2412-9100

Endereço:
Conego Valadão, 1095 - Vila Augusta
Guarulhos SP - CEP 07004-000


Sindicato dos Taxistas Autônomos de São Paulo convoca assembléia

Reajuste da tarifa é o principal tema

A assembléia está marcada para amanhã (30/08), para tratar de assuntos a respeito de reajuste de tarifa, sobre ação civil pública dos alvarás, aplicativos clandestinos de caronas pagas, faixas e corredores de ônibus.

O ultimo reajuste foi em janeiro de 2011 de18, 6% e a maioria dos taxistas optaram por um aumento esse ano. Nos últimos meses se intensificou os pedidos junto  a secretaria de transporte e a prefeitura.


O evento acontecerá na sede do sindicato (localizado na Rua Estado de Israel 833) as 10:00

segunda-feira, 25 de agosto de 2014

100 motoristas alcoolizados são flagrados no último final de semana

Pela primeira vez a operação foi realizada ao mesmo tempo em 8 cidades
Mais de mil testes do etilômetro foram aplicados

O Detran SP criou um programa para a prevenção e redução de acidentes e mortes no trânsito causados pelo consumo de álcool combinado com direção( Programa Direção Segura), nesse final de semana em uma ação flagrou 100 pessoas conduzindo sob efeito de álcool no último final de semana, quando oito blitzes simultâneas foram realizadas. 

As operações da Lei Seca aconteceram simultaneamente na capital paulista e nos municípios de São Bernardo do Campo, Mongaguá, Taubaté, Bragança Paulista, Sertãozinho, Barretos e Mirassol.

No total, 1.069 testes do etilômetro (conhecidos por bafômetro) foram aplicados. Os 100 condutores autuados por embriaguez ao volante terão de pagar multa no valor de R$ 1.915,40 e vão responder administrativamente junto ao Detran.SP para a suspensão do direito de dirigir por 12 meses.

Quinze dos motoristas flagrados, além de receberem essas penalidades, responderão na Justiça por crime de trânsito. Eles apresentaram índice a partir de 0,34 miligramas de álcool por litro de ar expelido no teste do etilômetro. Se condenados, esses condutores podem cumprir de seis meses a três anos de prisão, conforme prevê a nova Lei Seca, também conhecida como “tolerância zero”.

Pela nova Lei Seca (lei 12.760/2012), todos os motoristas flagrados em fiscalizações têm direito a ampla defesa, até que a CNH seja efetivamente suspensa. Se o condutor voltar a cometer a mesma infração durante o processo administrativo, o valor da multa será dobrado.

sexta-feira, 22 de agosto de 2014

Sindicato dos taxistas do ABC teve eleição

Odemar Ferreira - Presidente do Sindicato /
Edmam Coimbra - BV Seguros 


Odemar Ferreira é o presidente do Sindicato.

O Sindicato dos taxistas autônomos de Santo André e região teve eleição para a presidência, e Odemar Ferreira foi eleito e continuará até 2019
Odemar tem um plano de revitalização do Sindicato, para que cada dia possa haver melhorias para a categoria; Atualmente o ABC conta com 1.570 taxistas.

quarta-feira, 20 de agosto de 2014

Salão Nacional e Internacional das Motopeças tem sucesso na 8° edição


VIII Salão Nacional  e Internacional das Motopeças


Foram 10.418 visitantes nos quatro dias do evento

VIII Salão Nacional e Internacional das Motopeças, organizado e realizado pela ANFAMOTO (Associação Nacional dos Fabricantes e Atacadistas de Motopeças) chegou na 8° edição em grande estilo.
Com 20 milhões de motocicletas na frota circulante do país e potenciais clientes para o mercado de reposição, 100 expositores e mais de 250 marcas representadas na feira.

O Salão das Motopeças reuniu fabricantes, atacadistas, lojistas, representantes e entidades de classe que apresentam os principais lançamentos para este mercado. O público que visitou o evento era apenas profissionais do setor, vindos de diversas localidades brasileiras e do exterior. 

“Com a aproximação dos fabricantes no Salão das Motopeças, esperamos aquecer o mercado de reposição em 20% pós-feira.O panorama atual inclui dificuldades com o inquietante quadro político e econômico, a queda de vendas das motocicletas, alta carga tributária, juros altos e crises de diversas naturezas. “A esperança é de recuperarmos força e a confiança para retomarmos o crescimento de nossas empresas e o impulsionamento do segmento de motopeças que tem se mostrado muito valente apesar de tudo”, ressalta Orlando Leone, presidente da ANFAMOTO e empresário do setor.

O evento aconteceu nos dias 13 a 16 de agosto no pavilhão amarelo do Expo Center Norte, em São Paulo.


Foram 10.418 visitantes nos dias do evento.

terça-feira, 19 de agosto de 2014

Comissão regulamenta uso de tacógrafos em veículos coletivos

                                                                                                      Valdivo Pereira/Folha da Região - 26/06/2012
Funcionário do Ipem analisa tacógrafo em ônibus na
rodoviária de Araçatuba na manhã de terça-feira



A Comissão de Viação e Transportes aprovou o Projeto de Lei 5198/09, do deputado Jefferson Campos (PTB-SP), que regulamenta a utilização de tacógrafos em veículos de transporte coletivo de passageiros com mais de dez lugares.

De acordo com a proposta, as penalidades para o condutor que não utilizar o equipamento registrador de velocidade e tempo serão multas (cujo valor será multiplicado três vezes); retenção do veículo e perda de sete pontos na carteira (infração gravíssima).

Também estarão sujeitos às mesmas penalidades os condutores que tiverem o aparelho viciado ou defeituoso; com leitura inacessível à fiscalização ou sem as informações mínimas estabelecidas pelo Conselho Nacional de Trânsito (Contran); sem estar devidamente selado e lacrado pelo Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro); e sem estar aprovado em verificação do Inmetro.

 O texto prevê que em caso de acidente com vítima, envolvendo veículo equipado com tacógrafo, cabe o perito oficial a retirada de disco ou unidade armazenadora do registro.

 A proposta aprovada está apensada ao PL 3744/08, do deputado Eliene Lima (PSD-MT), rejeitado pela comissão, que torna obrigatório o uso de dispositivo limitador de velocidade em todos os veículos de transporte público coletivo.

Segundo o relator Edinho Araújo (PMDB-SP), a comissão já aprovara projeto idêntico em 2013 (PL 936/11), do deputado Leonardo Quintão (PMDB-MG). Araújo, no entanto, defendeu a aprovação do apensado para tornar obrigatório o uso do tacógrafo para veículos de transportes coletivos de passageiros com mais de dez lugares.

De acordo com ele, o número de acidentes automobilísticos cresce a cada ano no Brasil, onde já são contabilizados cerca de 40 mil mortos e milhares de feridos em ruas, avenidas e rodovias.

segunda-feira, 18 de agosto de 2014

Veículos com placas de final 5 e 6 devem ser licenciados em agosto

Proprietários têm até o último dia útil do mês para licenciar o veículo

O valor de R$ 68,48 deve ser pago na rede bancária credenciada. Quem preferir pode receber o documento pelos Correios, pagando o valor de R$ 11 para a entrega

Proprietários de veículos com placas de finais 5 e 6 devem realizar o licenciamento obrigatório do exercício 2014 durante o mês de agosto. O serviço pode ser feito de forma eletrônica, com entrega do Certificado de Registro e Licenciamento de Veículo (CRLV) pelos Correios, ou diretamente nos postos do Detran.SP e do Poupatempo.

De acordo com o Código de Trânsito Brasileiro (CTB), válido em todo o país, todos os veículos devem ser licenciados anualmente e o porte do Certificado de Registro e Licenciamento de Veículo (CRLV) é obrigatório. No Estado de São Paulo, o licenciamento é feito entre abril e dezembro, de acordo com o final da placa.

Conduzir veículo com o licenciamento em atraso é infração gravíssima (artigo 230 do CTB): multa de R$ 191,54, inserção de sete pontos no prontuário do condutor, além de apreensão e remoção do veículo.

Já a falta do documento, mesmo que o licenciamento esteja em dia, é infração leve (artigo 232 do CTB): multa de R$ 53,20, três pontos na carteira e retenção do veículo até que o documento seja apresentado.

IMPORTANTE: o condutor não deve deixar o licenciamento para a última hora, pois a partir de 1º de setembro, os veículos com finais de placa 5 e 6 estarão em situação irregular, caso transitem sem o documento de licenciamento 2014.

PASSO A PASSO – A taxa de licenciamento para o exercício 2014 é de R$ 68,48 e pode ser paga pela internet, caixas eletrônicos ou nas agências dos bancos credenciados (Banco do Brasil, Santander, Bradesco, Itaú, Caixa Econômica Federal, BMB, HSBC, Safra e Citibank). Ao realizar o licenciamento, é preciso quitar possíveis débitos de IPVA, seguro obrigatório e multas.

Na hora do pagamento, é preciso fornecer o número do Registro Nacional de Veículos Automotores (Renavam). Para receber o documento via Correios, é necessário pagar o valor adicional de R$ 11, referente à postagem. A entrega é feita em até sete dias úteis. É imprescindível que o endereço esteja atualizado junto ao Detran.SP. Caso contrário, não será possível fazer a entrega e o cidadão terá de retirar o documento em uma unidade de atendimento.

Quem preferir retirar o documento em um posto de atendimento deve apresentar o comprovante de pagamento em uma das unidades do Detran.SP ou nos postos do Poupatempo.

Nesse caso, será solicitado um documento de identificação e o comprovante de pagamento. Lembrando que nessa modalidade não se deve pagar o valor de envio pelos Correios.

A entrega poderá ser solicitada, ainda, por procurador, portando procuração original e cópia do RG do proprietário do veículo; ou por parentes próximos (pais, filhos, irmãos e cônjuge), apresentando documento que comprove o grau de parentesco.

O passo a passo completo do serviço está disponível na área de "Veículos" do portal Detran.SP (www.detran.sp.gov.br) ou diretamente no link http://bit.ly/1s7Xx4N

INSPEÇÃO AMBIENTAL – O licenciamento de veículos registrados na Capital não está mais condicionado à aprovação na inspeção veicular ambiental até que a Prefeitura de São Paulo retome a realização do serviço, suspenso pela administração municipal desde 1º de fevereiro de 2014.

Dessa forma, todos os veículos registrados na cidade de São Paulo podem realizar o licenciamento normalmente, mesmo os que não passaram pela inspeção ambiental em 2013 ou nos anos anteriores. O mesmo vale para quem teve o veículo reprovado na inspeção.

Calendário de licenciamento no Estado de São Paulo:

Veículo Automotor, Reboque e Semi-Reboque

  Final da Placa
Mês de Licenciamento*
1
abril
2
até maio
3
até junho
4
até julho
5 e 6
até agosto
7
até setembro
8
até outubro
9
até novembro
0
até dezembro

* Até o último dia útil de cada mês

terça-feira, 12 de agosto de 2014

Como combater a violência contra motociclistas e a venda ilegal de peças?

Por Fernando Medeiros

Na última sexta-feira, 8 de agosto, a polícia civil e a Prefeitura de São Paulo realizaram uma blitz na região central de São Paulo onde há uma grande concentração de lojas de motos, peças, acessórios e tudo para o universo das duas rodas.

A ação teve por objetivo apurar a legalidade das lojas e, principalmente, identificar a venda de peças de motos roubadas. Uma iniciativa importante, pois boa parte das motocicletas roubadas são desmontadas e vendidas em peças. Isto não é uma característica só de São Paulo, ocorre no Brasil inteiro.

Infelizmente esse tipo de ação ainda é pouco, quase insignificante, diante desta situação tão perversa, que não se limita ao desmanche de um veículo. Outras ocorrências mais sérias ocorrem antes disso. Os roubos de motos geralmente envolvem acidente e violência, onde as vítimas podem sair feridas ou até perderem a vida, mesmo após entregarem o bem. Ou seja, os prejuízos para a sociedade são enormes, a começar pelo maior, mais grave e irreparável que é a perda de vidas humanas.

Sob o aspecto financeiro da questão, a cascata de prejuízos é grande. O primeiro a perder é o pobre do motociclista, que além do trauma em caso de assalto, perde também o seu precioso bem, comprado quase sempre ao custo de muito suor e esforço.

Mas há ainda outros prejuízos para toda a sociedade. O mercado negro de peças não recolhe impostos e os cofres públicos deixam de arrecadar, não emprega com dignidade, não obedece padrões de qualidade e, ao se tratar de motocicleta, a qualidade da peça é igual a segurança.

A competitividade entre lojistas honestos e desonestos é injusta, o que desequilibra o mercado. Empresários que cumprem com as suas obrigações não conseguem competir de igual para igual, portanto vendem menos do que poderiam e, consequentemente, empregam dignamente menos pessoas e também pagam menor volume de impostos. É a cascata negativa da ilegalidade.

Infelizmente o próprio motociclista é um dos maiores responsáveis por fazer este ciclo funcionar. Muitos não entendem que poderão ser a próxima vítima e acabam comprando este tipo de peça, atraídos pelos baixos preços.

As companhias de seguros têm elevado cada vez mais os valores de seguros para motocicletas, sendo que muitas delas deixam de operar em determinadas regiões ou simplesmente abandonam este mercado. Resultado, o cidadão honesto que quer ter uma moto com seguro, não consegue assegurá-la por falta de opção ou paga muito caro por isso.

Milhares de pessoas deixam de comprar moto por medo de assalto e esta perda que parece invisível reflete em menores quantidades fabricadas. Se considerarmos que indústria ativa e forte é sinônimo de emprego, temos então mais um efeito colateral deste câncer social, chamado mercado clandestino de peças e motos.

Mas o que pode ser feito? Como reverter este quadro sombrio? O que cada um pode fazer a respeito? Quero deixar alguns pontos para reflexão e quem sabe até ação de quem o pode fazer.

Combate aos desmanches clandestinos: Minar a cadeia financeira é uma das medidas mais importantes. As motos só são roubadas porque tem valor para alguém. Se não conseguissem vendê-las, certamente deixariam de roubá-las. É realmente preciso promover ações articuladas entre polícia e prefeituras, para que esta prática deixe de ser interessante aos criminosos.

Tecnologia: Passou da hora de colocar a tecnologia para trabalhar em favor do bem da sociedade neste aspecto. Se consideramos que até mesmo um celular pode ser encontrado se for roubado, não podemos nos conformar que uma moto desapareça se o for.

Até mesmo o banco que financiou a moto deveria saber onde ela está se precisar recuperá-la em caso de inadimplência. Isto poderia inclusive estimulá-los a financiar mais e, portanto, aquecer a economia. Poder localizar as motos seria uma medida importante, mas este tema deve ser amplamente discutido com as fábricas, pois há limites de custo e eficiência, que devem ser muito bem avaliados.

Fiscalização: Precisamos rever o modelo e estrutura de fiscalização atual. Se o bandido sabe que a qualquer momento ele pode ser parado por uma fiscalização, certamente não vai ficar andando por ai com uma moto roubada. O problema é que já não se vê tantas blitz nas ruas. Dessa forma, o risco menor ao bandido potencializa suas ações contra a sociedade.

Impunidades: Criminosos agem sem o menor medo, porque sabem que dificilmente serão punidos. Ainda que presos, as possibilidades de recursos são tantas que todos eles sabem que é possível dar um “jeitinho”.

Delegacias especializadas: No estado de São Paulo a polícia civil possuía duas divisões especiais que focam as questões relacionadas aos veículos: a Divisão de Investigações sobre Furtos e Roubos de Veículos e Cargas e a Delegacia de Repressão a Desmanches, que visa prevenir e reprimir desmanches e remontes delituosos de veículo automotor.

Ambas são importantes no combate a este tipo de crime, só que o volume de ocorrências é tão grande que acabam servindo para “enxugar gelo”. Os crimes contra motociclistas são muito violentos e numerosos, portanto talvez seja o caso de especializar ações nesta direção também.

Este cenário de São Paulo é apenas um exemplo do que está sendo feito, e que pode ser melhorado, mas há muito o quê se fazer ainda, tanto em São Paulo como em todo o Brasil. O fato é que não podemos mais conviver com tanta violência e impunidade.
Fernando Medeiros é diretor executivo da ASSOHONDA.
Sobre a ASSOHONDA:
www.assohonda.org.br
(11) 50547733
Informações para a imprensa
InformaMídia Comunicação
Juliana Colognesi
juliana@informamidia.com.br
(11) 2834 9295/ 98393 3689

sexta-feira, 8 de agosto de 2014

Cresce a violência entre taxistas no Brasil

Taxista Bruno Santos

Taxistas tomam medidas preventivas para 
não correrem o risco de serem assaltados

No Brasil ano após ano vem crescendo as estáticas de assaltos e de assassinatos; Na capital Paulistana esse número ainda é maior.
O taxista se tornou um alvo fácil para criminosos, pois sempre estão transportando muitas pessoas na qual não se sabe a verdadeira intenção do passageiro, e ainda os profissionais estão sozinhos e com dinheiro.
A procura por carros blindados está cada vez maior sendo um serviço caro para a categoria que sempre está renovando seus veículos e enquanto a segurança pública está cada vez mais escassa.
Em uma tentativa de prevenção alguns trocam o turno da noite (onde a ocorrência de assaltos e crimes são maiores) e também evitam buscar os passageiros em viagens muito distantes.

Walter Lopes - Presidente do ponto 606
O taxista Bruno Santos que trabalha há dois anos exercendo a profissão no ponto do Shopping Santa Cruz sofreu dois assaltos e sempre anda com muito cuidado e com medo que venha ocorrer o terceiro.
 “Fui assaltado duas vezes e tenho medo que ocorra uma 3° vez, temos que trabalhar com medo, a polícia deveria trabalhar de forma efetiva. Sou obrigado a não parar a noite e evitar levar passageiros em regiões perigosas”, declara Bruno. 
 Já o seu companheiro de trabalho  Luis Daniel que é taxista há 6 anos, nunca foi assaltado, porém toma medidas precatórias para que também não seja uma vitima .

“Nunca fui assaltado, mas ando com medo, assim, não trabalho a noite, acredito que a policia deveria abordar os carros em certo horário e reforçar as rondas noturnas”.

De acordo com Walter Lopes. Presidente da Associação do ponto 606 compartilhou com nossa equipe do JT, que já houve diversos assaltos no ponto e com sistema de monitoramento de câmeras é possível identificar o autor do crime.

“A mudança deve começar pelos nossos parlamentares, temos que seguir rigorosamente nossas leis, não dando o direito de redução de pena e deve ser reavaliado o caso da redução da maior idade penal, pois muitos que assaltam nem possuem 18 anos”, diz Lopes.

Ceará Preto - Presidente do Simtetaxis-SP
O Simtetaxis-SP (Sindicato dos Motoristas e Trabalhadores nas Empresas de Táxi do Estado de São Paulo) tem feito uma campanha preventiva junto com o Coronel Nira da Policia Militar de São Paulo e alcançou uma diminuição de violência em algumas regiões da Capital.
Antonio Raimundo (conhecido como Ceará Preto), presidente do Simtetaxis-SP, afirmou que a região mais afetada por assaltos é a zona sul e que os taxistas não devem andar com muito dinheiro.

“No final da tarde, a Marginal Pinheiros se torna uma das áreas mais perigosas, pois é freqüente o numero de arrastões que é feito por motoqueiros. Ressaltamos que os companheiros têm que adquirir a maquina de cartões e evitar andar com dinheiro, pois é muito mais seguro para todos; Há um ano estamos fazendo uma parceria com a Policia Militar de São Paulo e estamos com sucesso, pois os assaltos diminuíram bastante”, fala Ceará Preto.


sexta-feira, 25 de julho de 2014

Taxistas de São Paulo querem o fim do aplicativo Uber

O aplicativo de carona paga Uber chegou em São Paulo esse mês e já virou caso de polícia.


A Adetax (Associação das Empresas de Táxi do Município de São Paulo) declarou nesta segunda feira 21/07 contra o lançamento do aplicativo Uber na Capital. 
A Associação afirmou que o aplicativo vai gerar uma concorrência desleal com os 34 mil taxistas da capital.

O aplicativo Uber oferece aos usuários uma “carona paga”, incentivando motoristas profissionais liberais a converterem seus carros em táxis provisórios recebendo um valor pré-determinado – dependendo do tempo de viagem ou distância – para levar os “caronas”, que também baixam o app e se cadastram no Uber, pagando por viagens que solicitar. Tudo é feito mediante o uso de cartões de crédito e o tempo médio de espera dos clientes é de 3 minutos. Não há troca de valores dentro dos veículos.
Em São Paulo, a tarifa de base é de R$ 5, e o quilômetro rodado custa R$ 2,42. Para se ter uma comparação, os táxis da capital cobram R$ 4,10 a bandeirada e R$ 2,50 o quilômetro rodado.

A Adetax argumenta que “a legislação já estabelece que o transporte individual de passageiros na cidade deve ser feito apenas por táxis”. Em comunicado, a associação cita a qualidade do serviço prestado pelos taxistas, a variedade de carros oferecidos, e o preço, que é baseado na tarifa determinada pela prefeitura. “Permitir as operações de um aplicativo que cobra por valores de ‘corrida’, ‘bandeirada’ e ‘quilômetro rodado’ criaria uma concorrência desleal com os profissionais e empresas que têm o direito de prestar esse serviço na cidade”, afirmou.

Para alguns, parece estranho abrir seu carro para um desconhecido. O mesmo vale para alguém que precisa de um veículo e entra no carro de alguém que jamais viu e que logo não o verá mais. Em geral, os motoristas pouco conversam com os clientes e a regra básica é não interagir com os passageiros, mas eis que surge a pergunta: será que o aplicativo promove segurança para ambas as partes?


A estatística de violência com taxistas, vem aumentando ano após ano, será que as pessoas estão dispostas a correr esse risco?
Já que a empresa seduz o motorista a dar carona cobrada a qualquer pessoa e o passageiro às vezes acaba pagando mais caro do que para um taxista. 
E os passageiros que são transportados por taxistas que na qual esses profissionais se tornam um grande ouvinte em muitos casos, e deixam com segurança em seus devidos locais, devemos ressaltar que não vivemos na Europa e infelizmente a violência no trânsito e algo constante em nosso país.

quarta-feira, 23 de julho de 2014

Roubo de cargas preocupa caminhoneiros no Alto Tietê

Motoristas ficam atentos para o perigo na estrada

 Caminhoneiros que utilizam as estradas do Alto Tietê redobram os cuidados na hora de transportar cargas. No Alto Tietê, de acordo com dados da Secretaria de Segurança Pública, Suzano, Ferraz de Vasconcelos e Mogi das Cruzes se destacam nas estatísticas.
Em Ferraz de Vasconcelos os dados impressionam, a cidade registrou um crescimento de 114% de roubos de carga. Mas o crescimento pode ser notado em toda a região. De acordo com a SSP, de janeiro a abril de 2014 o assalto a motoristas de caminhão aumentou de 70, nos mesmos meses em 2013, para 74 neste ano.
Suzano teve um crescimento de 61% nos casos de roubos de carga de um ano para o outro. Já Mogi das cruzes registrou um dos menores aumentos, de 12%. "É feito um trabalho de investigação pela Polícia Civil e da nossa parte é feito um trabalho de prevenção com essas operações de visibilidade e abordagens de caminhões. É o nosso trabalho de prevenção ao delito", explica a Chefe de Comunicação da Polícia Militar, Cláudia Regina Cândido Oliveira.

Em nota, a Polícia Militar diz que orienta aos caminhoneiros a evitar locais isolados e, se for necessário parar, que seja em um lugar visível e bem iluminado. Em caso de pane, a PM orienta ainda a procurar um posto de combustível.

sexta-feira, 11 de julho de 2014

Prefeito sanciona lei de transporte hidroviário garantindo melhorias no transporte

São Paulo terá transporte público em embarcações


Foi sancionado pelo prefeito de São Paulo o projeto que cria um novo modal de transporte na cidade de São Paulo. De autoria do vereador Ricardo Nunes, a lei 16.010/2014 institui o Sistema de Transporte Hidroviário Municipal, e tem o objetivo de melhorar o deslocamento e ampliar a oferta de transporte na cidade.
 Na prática, a medida visa atender os moradores de bairros mais afastados do centro, em especial das regiões dos lagos circundados pelas represas Billings e Guarapiranga. A ideia é proporcionar a integração com estações do metrô, CPTM e terminais de ônibus.

As embarcações, de acordo com a proposta, levariam em média dez minutos para transportar moradores do extremo sul ao centro de Santo Amaro, e entre 20 e 30 minutos até o centro de São Paulo. Hoje, as pessoas perdem em média uma hora e meia e três horas para realizar estes mesmos trajetos, respectivamente.

“O extremo sul da cidade é uma das regiões mais prejudicadas pela falta de alternativas de deslocamento para o centro da cidade, o que acarreta uma superlotação das vias da região. O transporte hidroviário, além de surgir como alternativa menos poluente, vai beneficiar diretamente 2 milhões de pessoas e desafogar o trânsito” salienta o vereador.
 Cada embarcação transportará de 100 a 200 passageiros. O projeto prevê a saída da represa Billings, com três ou quatro estações de embarque e desembarque interligando as estações já existentes da CPTM no Rio Pinheiros: Jurubatuba, Socorro e Santo Amaro.
 Ainda há a proposta de implantação de mais três estações, atendendo moradores que residem nos distritos de M’Boi Mirim e Campo Limpo, representados pelos bairros Jardim Ângela, São Luis, Jardim Vera Cruz, dentre outros.