quarta-feira, 27 de fevereiro de 2019

CET pede para motociclistas usarem pista local da marginal


A gestão Bruno Covas começou ontem campanha de orientação para os motociclistas utilizarem somente a pista local da marginal Pinheiros, sentido rodovia Castello Branco.

Foram colocadas faixas de vinil, sobre a pista expressa, nas pontes João Dias, Morumbi, Cidade Jardim e Eusébio Matoso com a recomendação: "Moto Use Pista Local".

O objetivo é tentar diminuir acidentes e mortes envolvendo motos.

Em 2018, houve um aumento de 17,7% de mortos em relação a 2017 em toda a cidade.

Foram 366 casos no ano passado, ante 311 em 2017.

Somente na marginal Pinheiros, ocorreram dez acidentes fatais envolvendo motos no ano passado, segundo a CET (Companhia de Engenharia de Tráfego).

Fonte: Jornal Agora

segunda-feira, 25 de fevereiro de 2019

Prefeito de São Paulo decide desativar o Minhocão e fazer parque suspenso


Prefeitura tinha prazo até 2026 para determinar se Elevado Presidente João Goulart seria demolido ou viraria área verde; obras começam no segundo semestre

O prefeito Bruno Covas decidiu que o Elevado João Goulart, o Minhocão, que liga o centro à zona oeste de São Paulo, será desativado e vai ser transformado em um parque. As obras para adaptação das quatro faixas elevadas, construídas na década de 1970, vão começar no segundo semestre deste ano. A expectativa é de que o primeiro trecho do parque, da Praça Roosevelt até o Largo do Arouche, fique pronto já em 2020, a tempo de Covas apresentar a obra como uma “marca” de sua gestão para a disputar a reeleição.

A necessidade de se desativar o Minhocão foi determinada pelo Plano Diretor da cidade de 2016, criado na gestão de Fernando Haddad. Mas ele deixou em aberto o que seria feito com a estrutura. Covas decidiu que cumpriria a regra e pediu estudos sobre o que poderia ser feito no espaço. A decisão foi adiada até que o custo fosse estimado e a questão dos viadutos da cidade, que precisam de reparos de emergência, fosse tida como equacionada.

As obras que ocorrem este ano não devem interromper todo o tráfego, mas precisarão de esquema especial. Serão construídos nove pontos de acesso, entre escadas e elevadores, além de serviços para garantir a segurança dos pedestres, como mudanças nas grades laterais. A ideia é que, além de áreas verdes e bancos, os apartamentos de prédios vizinhos ao Minhocão possam construir passarelas com conexão para o elevado e, nesses imóveis, transformá-los em pontos comerciais, como bares e restaurantes.

A Prefeitura tinha a missão de decidir o destino do parque desde que Covas sucedeu a João Doria, em abril de 2018. O ex-prefeito já havia conversado com o escritório do arquiteto e político Jaime Lerner para revisar a proposta de criação de parque que Lerner havia feito à gestão Gilberto Kassab, que durou de 2006 a 2012.

A Prefeitura cogitou derrubar todo o Elevado e revitalizar a Rua Amaral Gurgel e as Avenidas São João e General Olímpio da Silveira, sob o Minhocão. Mas a ideia foi descartada por causa dos cálculos do custo de obras para mitigar transtornos, como poeira, e por não ter como retirar dali, sem impactos, o corredor de ônibus do centro à zona oeste. A decisão foi transformar a estrutura em parque.

A estimativa é que esta 1.ª fase custe R$ 38 milhões. A proposta considera conceder o parque à iniciativa privada, ou pontos comerciais dentro dele, para custear a manutenção, de modo a evitar falta de verba para cuidar da vegetação, como no Corredor Verde da Avenida 23 de Maio feito por Doria.

Covas diz estar ciente de que a proposta é polêmica, mas defende a medida. “Entendemos, pelo benefício que traz, pelo que hoje é a vontade da população, que é fazer um parque no primeiro trecho dele, da Roosevelt até o Largo Santa Cecília. Depois, o outro trecho dele, quem me suceder discute se vai ampliar ou retirar o parque.”

Obras. Serão três fases. A primeira é de obras de acessibilidade e segurança, a segunda é construir o parque, que levará 17,5 mil m² de área verde para os 900 metros que separam o Arouche e a Roosevelt. A terceira é o Plano de Intervenção Urbana (PIU) da região, e a avaliação da sequência do parque ao fim do Elevado.

Até essa definição, o trânsito continuará em parte do elevado, das Avenidas São João e Francisco Matarazzo. “O parque poderá ser a ligação entre essas diversas praças da região central”, disse o secretário de Urbanismo, Fernando Chucri. Até a semana que vem, a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) deve concluir estudo sobre as obras. Intervenções complementares podem ser necessárias. “Uma alça, um alargamento viário.” Ele diz que o parque será “montado” sobre o local e será avaliado. A Prefeitura não descarta devolver o espaço aos veículos, caso a prática se mostre inviável para o trânsito.

“Quem seguir no sentido de Perdizes e Barra Funda poderá pegar o elevado por acesso próximo à Rua Helvétia, na região dos Campos Elísios”, diz a Prefeitura, em nota. “Até esse ponto, o motorista deverá seguir pela Avenida Amaral Gurgel. No outro sentido, o caminho em direção à zona leste será interrompido na passagem para a Rua Sebastião Pereira, na Vila Buarque.”

Fonte: Estadão

sexta-feira, 22 de fevereiro de 2019

Unidades do Detran.SP fecham na segunda (4) e na terça (5) durante o Carnaval

Todos os postos retomarão o atendimento a partir das 12h da Quarta-feira de Cinzas, 6 de março

Devido ao Carnaval, as unidades do Departamento Estadual de Trânsito de São Paulo (Detran.SP) em todo o Estado estarão fechadas nos dias 4 e 5 de março, segunda e terça-feira. O atendimento será retomado na Quarta-feira de Cinzas, 6 de março, às 12h, conforme prevê o decreto estadual 64.112/2019.

Os postos Poupatempo seguirão o mesmo calendário de funcionamento, então os serviços do Detran.SP oferecidos neles não estarão disponíveis nessas datas. 

A partir de quinta-feira, dia 7 de março, todas as unidades abrirão em seus horários habituais, que podem ser consultados no portal www.detran.sp.gov.br ou pelo Disque Detran.SP.

A central telefônica do Detran.SP não funcionará nos dias 4 e 5, mas volta a atender das 7h às 19 no dia 6 de março. Para quem reside em São Paulo ou em municípios com DDD 11 o telefone de contato é o 3322-3333. Já quem mora nas demais localidades pode ligar no 0300-101-3333.

Fonte: Detran.SP

segunda-feira, 18 de fevereiro de 2019

Confira dicas do Detran.SP para compra e venda de veículos usados


Checar se existem bloqueios, avaliar o preço cobrado e o funcionamento do veículo são atitudes indispensáveis antes de fechar negócio; Ao comprar, deve-se transferir a propriedade em até 30 dias

A procura por carros usados é quase cinco vezes maior do que por zero km. A relação entre automóvel usado para cada carro novo comercializado no Brasil ficou em 4,7 no mês de janeiro de 2019, segundo relatório divulgado pela Fenabrave (Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores).

Apesar de mais atrativo pelo custo-benefício, é preciso tomar alguns cuidados ao comprar um veículo usado. Para ajudar os motoristas a evitarem dor de cabeça futura, o Departamento Estadual de Trânsito (Detran.SP) fornece dez dicas importantes na hora de fechar o negócio.

Confira abaixo:

1) Antes de fechar negócio, faça uma consulta sobre possíveis débitos, bloqueios, restrições e histórico de vistorias do veículo no site do Detran.SP (www.detran.sp.gov.br). Basta inserir a placa e o número do Renavam. Não precisa de cadastro prévio. Não aceite relatório ou laudo apresentado em papel, pois não terá como confirmar a autenticidade do documento;

2)   Desconfie de “ofertas imperdíveis” e “preços muito baixos”. Golpes são aplicados, principalmente pela internet, atraindo compradores com preços bem abaixo do praticado no mercado. Consulte a tabela Fipe para verificar valores atuais de veículos;

3)   Não finalize a compra apenas por fotos na internet nem pague qualquer quantia sem antes ver pessoalmente o veículo. É aconselhável ainda levar o carro a um mecânico de confiança para verificar o funcionamento do motor, do sistema de iluminação, entre outros itens no veículo;

4)    Ao vender, não entregue o documento de transferência do veículo em branco. Colha a assinatura e os dados do comprador no Certificado de Registro de Veículo (CRV) e faça a comunicação de venda no cartório de registros da sua cidade. Isso evitará problemas futuros com cobranças de débitos ou mesmo responsabilidade civil e criminal após a venda;

5)   Após a comunicação de venda, fique com uma cópia autenticada e entregue o CRV original ao novo proprietário do veículo. É necessário o reconhecimento da assinatura do vendedor e do comprador por autenticidade no documento. O prazo para providenciar a transferência de propriedade é de 30 dias corridos. Se for transferido depois, o novo dono será multado em R$ 195,23 e receberá cinco pontos na CNH (infração grave);

6)  Em até cinco dias da data de ida ao cartório, o antigo dono do veículo pode acompanhar no site do Detran.SP se a comunicação de venda foi efetiva pelo cartório. Em caso negativo, o cidadão pode notificar a venda ao departamento por meio do site ou então pessoalmente numa unidade, apresentando a cópia autenticada do CRV;

7)  Se o veículo foi vendido sem a comunicação de venda e não foi transferido pelo novo proprietário, o antigo dono pode solicitar no Detran.SP um bloqueio administrativo que permitirá a remoção do veículo ao pátio quando for parado numa blitz;

8) Para a transferência do veículo, é necessário que o comprador submeta o carro a uma vistoria de identificação veicular. Há empresas credenciadas pelo Detran.SP em todo o Estado (veja endereços no site do Detran.SP). Procure a melhor opção;

9)   Preste atenção nos principais documentos solicitados na hora da transferência: cópia e original da CNH atualizada, comprovante de residência atualizado (por exemplo, água ou luz) e os documentos do veículo (CRV e CRLV, documento de compra e venda e o licenciamento anual, respectivamente);

10) Se o proprietário do veículo não puder comparecer nas unidades do Detran.SP, um parente próximo (mãe, pai ou irmão) pode representá-lo, desde que apresente o original e cópia simples de um documento que comprove o parentesco, além de uma cópia do documento do dono do veículo;

No site do Detran.SP (www.detran.sp.gov.br), você também encontra todo o passo a passo para compra ou venda de um veículo, além de localizar endereços e horários de atendimento das unidades, e de empresas credenciadas para serviços.

quarta-feira, 13 de fevereiro de 2019

Detran.SP orienta sobre o que fazer em casos de acidentes de trânsito

Manter a calma e verificar se há vítimas são os primeiros passos

Um trânsito seguro e livre de acidentes passa pelo correto comportamento na direção do veículo. Atenção plena e prudência são atitudes que contribuem para uma convivência harmônica. Porém, caso o motorista se envolva em um acidente de trânsito é importante saber como agir para evitar mais transtornos para si e demais condutores.

Pensando nisso, o Departamento Estadual de Trânsito de São Paulo (Detran.SP) lista os 10 principais procedimentos que devem ser adotados pelos cidadãos nesta situação:

1-   O primeiro passo é manter a calma e verificar se existem vítimas no local.

2-   Se existirem pessoas acidentadas, é preciso acionar os serviços de emergência conforme a necessidade: Polícia Militar (ligue 190), Polícia Rodoviária Federal (ligue 191), SAMU (ligue 192) e Bombeiros (ligue 193).

3 - Para evitar que novos acidentes ocorram, é importante sinalizar o espaço da colisão. Após ligar o pisca-alerta, deve-se posicionar o triângulo em uma distância de no mínimo 30 metros. Se for dia de chuva ou tiver neblina na pista, deve-se dobrar a distância de posicionamento do triângulo. Para ampliar a segurança, orienta-se que leve em conta também a velocidade permitida na via. Por exemplo: se a velocidade máxima for de 70 km, é bom colocar o triângulo 70 metros distante do veículo. Ou seja, 1 metro de distância para cada km da via. Um passo longo pode ser equiparado a 1 metro, mas é bom dar alguns a mais para uma margem de segurança. 

4 - Em caso de acidente com vítimas, é necessário preservar o local e esperar a chegada do socorro médico e da polícia, que registrará a ocorrência. Importante não movimentar os feridos, pois um atendimento inadequado pode deixar graves sequelas.

5 - Se houver vítimas fatais, condutores embriagados ou danos ao patrimônio público, o local deve ser preservado e a remoção dos veículos não deve ocorrer, pois há necessidade de realização da perícia e da autorização de liberação dos órgãos policiais.

6 - Se não houver vítimas, é preciso retirar os veículos da via para não interromper o tráfego do momento e evitar novos acidentes.

7 - Caso não seja possível mover os veículos para o acostamento, os serviços de guincho de trânsito das prefeituras ou órgãos rodoviários, dependendo da local, devem ser acionados para promover a retirada deles para espaços que não ofereçam riscos de acidentes, bem como efetuarem a sinalização com o objetivo de preservar a fluidez do trânsito.

8 - O registro de um Boletim de Ocorrência em casos de acidentes de trânsito sem vítimas ou danos ao patrimônio público fica por conta do interesse dos envolvidos. Ou seja, não é obrigatório em todas as situações. Algumas informações importantes para o registro são: fotos dos danos, dados dos condutores e dos veículos envolvidos, além do endereço do local, dia e horário do ocorrido.

9 - Caso seja segurado, o acionamento da seguradora privada deve seguir as exigências estipuladas pela empresa (como, por exemplo, a apresentação de documentos, vistorias e/ou boletins de ocorrência). Já para pedido de reembolso de despesas médicas e hospitalar ou indenização em casos de morte, invalidez permanente total ou parcial por danos físicos causados por acidentes, é necessário acionar a Seguradora Líder, responsável pelo seguro DPVAT.

10 - Demais motoristas que estiverem transitando pelo local e presenciarem um acidente devem continuar normalmente seus trajetos, caso não seja solicitada ajuda. A curiosidade de outros condutores pode atrapalhar a ação de quem estiver trabalhando. Nada de usar o celular para tirar fotos ou filmar o acidente, pois conduzir o veículo manuseando o aparelho, além de poder resultar em outro acidente de trânsito, é infração gravíssima penalizada com multa de R$ 293,47 e sete pontos na CNH.

Posturas inadequadas e multas

Omissão de socorro é considerado crime de acordo com o artigo 135 do Código Penal, punido com detenção que pode variar de um a seis meses ou multa.

Já o artigo 176 do Código de Trânsito Brasileiro (CTB) prevê como infrações gravíssimas de trânsito, com fator multiplicador (multa no valor de R$ 1467,35): deixar de prestar ou providenciar socorro às vítimas, de preservar o local de crime ou deixar de colaborar para o registro da ocorrência. Além das infrações, pode ficar configurado também crime de trânsito, punido com detenção de seis meses a um ano, com base no artigo 304 do CTB.

É preciso também priorizar a segurança e fluidez da via. Por isso, deixar de retirar os veículos envolvidos em acidentes sem vítimas, segundo o artigo 178 do CTB, é infração média com multa no valor de R$ 130,16 e quatro pontos na Carteira Nacional de Habilitação (CNH).

Fonte: Detran.SP

segunda-feira, 4 de fevereiro de 2019

Emplacamento de veículos zero cresce pelo 2º ano seguido em SP, destaca Detran.SP

Aumento foi de 15,5% em 2018, com destaque para caminhões, utilitários, motos e automóveis

O emplacamento de veículos zero quilômetro cresceu pelo segundo ano consecutivo no Estado de São Paulo, em 2018. De acordo com os dados registrados pelo Departamento Estadual de Trânsito de São Paulo (Detran.SP), o aumento foi de 15,5%, se comparado com o ano anterior.

Os números apresentavam queda desde 2013, mas o movimento foi interrompido em 2017, quando 767.708 veículos foram lacrados. Já no ano passado, o dado saltou para 886.701 unidades, com destaque para caminhões, reboques e leves tipo 2 (micro-ônibus, utilitário e caminhonete).
Para a Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), os dados de 2018 representam a consolidação da retomada do crescimento iniciada em 2017, indicando a recuperação da economia. A expectativa dos fabricantes para 2019 é de mais um ano de crescimento.

“Temos trabalhado para tornar o Detran.SP mais moderno em todas as suas diversas áreas, entre elas o emplacamento, visando torná-lo mais cômodo e eficiente”, diz Paulo Roberto Falcão Ribeiro, diretor-presidente do Detran.SP.

A lacração deve ser feita após a emissão do documento do veículo. Em algumas unidades do Detran.SP, o agendamento de horário para atendimento é obrigatório. Em outras unidades, basta comparecer para fazer o emplacamento. Informações e valores podem ser consultados no site www.detran.sp.gov.br

O serviço deve ser acompanhado do proprietário do veículo ou então por meio de um procurador. O cidadão deve apresentar o documento do veículo e um documento de identificação com foto (RG, por exemplo), além dos comprovantes de pagamentos de taxas e das placas.

Fonte: Detran. SP

sexta-feira, 1 de fevereiro de 2019

Detran.SP online ultrapassa 43,9 mi de serviços em 2018

Entre os 38 serviços, ferramenta permite pedir a 2ª via da habilitação, enviar e acompanhar recursos contra multas ou suspensão sem sair de casa; saiba como se cadastrar e ter acesso à ferramenta

O Departamento Estadual de Trânsito de São Paulo (Detran.SP) fechou o ano  de 2018 com exatos 43.902.326 serviços realizados de forma online pelo seu portal. A ferramenta conta atualmente com 38 opções que permitem ao cidadão fazer procedimentos relacionados à Carteira Nacional de Habilitação (CNH), veículos e infrações. Atualmente, são 12.355.405 milhões de usuários cadastrados pelo portal www.detran.sp.gov.br.

Entre os principais serviços estão a solicitação da 2ª via da CNH e da Permissão Internacional para Dirigir (PID); envio de recursos contra multas aplicadas pelo Detran.SP; indicação de condutor de multa do Detran.SP cometida por terceiro;  recursos contra a suspensão ou cassação da habilitação e consulta de débitos de veículos, etc. Por segurança, alguns procedimentos online exigem o acesso com login (que é o próprio CPF do cidadão) e uma senha.

O Detran.SP também oferece aplicativo gratuito do órgão de trânsito para smartphones e tablets. Só no ano passado, o app “Detran.SP” teve quase 2 milhões downloads nas lojas virtuais da Apple (AppStore) e Android (GooglePlay).

O cadastro é feito de forma gratuita e o passo a passo ilustrado está disponível aqui. Com ele, também é possível utilizar o aplicativo do Detran.SP.

Abaixo, listamos as dúvidas mais comuns ligadas ao cadastro. Confira:

Como fazer o cadastro no portal do Detran.SP? – Basta clicar em “Entre ou Cadastre-se” no topo da página www.detran.sp.gov.br, informar o CPF e seguir o passo a passo. O interessado deverá fornecer também informações como o endereço, telefone para contato, e-mail e número de registro da CNH (para quem já for habilitado) e Registro Nacional de Veículos Automotores (Renavam), caso seja proprietário de um ou mais veículos. Tal código está localizado no Certificado de Registro e Licenciamento de Veículo (CRLV).

Os dados ficam protegidos por uma senha pessoal que será solicitada a cada acesso. Atenção: escolha bem a dica de senha porque será importante se eventualmente esquecer.

Tentei me cadastrar, mas endereço listado não confere com o meu –O portal precisa da confirmação de endereço do condutor ou de cadastro do veículo. O CEP e o endereço do cidadão devem ser os mesmos cadastrados previamente em um posto do Detran.SP no início do processo de habilitação ou na última vez em que renovou o documento, ou se houve alteração de endereço para a CNH ou veículo.

Em caso de mudança de endereço, é necessário se dirigir a uma unidade portando documento de identificação e comprovante de residência (últimos três meses) para atualização dos dados. Se a mudança ocorreu dentro do mesmo município e o usuário tem contas de consumo (telefone, gás, água) emitidas em seu nome, a atualização pode ser feita pelo próprio portal, mediante login e senha.

App do Detran.SP – Para fazer o login ou criar um cadastro no app, basta clicar em um dos serviços que apresentem um cadeado junto ao ícone. Lembramos que o login e a senha gerados no cadastro do portal servem também para o aplicativo.

Esqueci minha senha – Para recadastrar uma nova senha basta inserir o CPF no campo indicado em “Entre ou Cadastre-se” no portal do Detran.SP e clicar em “Esqueci minha senha”. A página informará a “Dica de senha”, mas se mesmo assim não se recordar, é só clicar em “Nova senha” e seguir o passo a passo. Uma nova senha será enviada para o e-mail e telefone cadastrados. Depois, é possível editá-la em “Meu Cadastro”.

Esqueci meu e-mail – Se não tem mais acesso ao e-mail cadastrado no portal do Detran.SP, o processo é parecido: ao clicar em "Esqueci minha senha", o usuário deve selecionar a opção “Recadastro” e seguir o passo a passo. A tela disponibilizará um formulário e permitirá iniciar seguir com o recadastro.

Acesso aos serviços eletrônicos por redes sociais - O cadastro do Detran.SP permite também vincular a conta ao Facebook e ao Gmail. Assim, o login pode ser feito por meio dessas redes e o usuário não terá de lembrar da senha cadastrada no portal. Para isso, é só clicar em “Vincular conta” no campo “Associar contas”.

Fonte: Detran.SP